quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Sérgio Dias Branco I Conferência e Lançamento (Convite)


clicar na imagem para a aumentar

Seminário de Doutoramento em Arte Contemporânea
Conferência de Sérgio Dias Branco e lançamento do livro Por Dentro das Imagens
17 de Fevereiro de 2017, sexta-feira, às 14h00



sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O Bem nas Coisas – A publicidade como discurso moral I Emanuele Coccia


O Bem nas Coisas – A publicidade como discurso moral

Tradução de Jorge Leandro Rosa

Edição de Pedro A.H. Paixão

ISBN: 978-989-8834-51-5

Edição: Dezembro de 2016
Preço: 16,98 euros | PVP: 18 euros
Formato: 14,5 x 20,5 cm [brochado]
Número de páginas: 184 (impressas a cores)


[ Em colaboração com a Fundação Carmona e Costa ]


O amor pelas coisas abre o reino das mercadorias. Esse amor é exibido em todas as dimensões do espaço público das nossas cidades, basta abrirmos «os olhos para que todo o espaço entre o nosso corpo e o horizonte seja uma única e infinita exposição de mercadorias». Ou talvez seja o inverso, talvez sejam as mercadorias — entidades misteriosas, como lembrava Marx — que abrem novas possibilidades para a expressão do amor, sendo a publicidade a sua proclamação e o seu conto moral. Nas palavras de Emanuel Coccia: «No presente livro tentei reconhecer, por detrás de um fenómeno invasivo e omnipresente, que foi quase exclusivamente descrito como produção de um impreciso mal social, os termos de uma moral positiva enquanto facto apoiado numa lógica de produção, de busca e de jouissance de um bem específico».

Para a apresentação de O Bem nas Coisas – A publicidade como discurso moral Emanuele Coccia veio a Portugal para o lançamento na Fundação Carmona e Costa, em Lisboa.
Na Biblioteca de Serralves, no Porto, apresentou o livro e a conferência «What should we learn from Advertising? The Moral Iconography of the Contemporary World». No Pequeno Auditório da Culturgest em Lisboa apresentou o livro e a conferência «Life in Images. Advertising and the Invention of Lifestyle».

O Bem nas Coisas é o IV volume da colecção «Disciplina sem nome», dirigida por Pedro A.H. Paixão para a Documenta — um projecto editorial sobre pensamento e teoria de desenho com o apoio da Fundação Carmona e Costa.

Emanuele Coccia (1976) é Professor Auxiliar na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris. Das suas publicações, traduzidas em diversas línguas, destacam-se A Vida Sensível (2010), Le Bien dans les choses (2013) e La Vie des plantes (2016). Foi co-editor com Giorgio Agamben da antologia monumental Angeli. Ebraismo Cristianesimo Islam (2009).

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Julião Sarmento: O Artista como ele é – Conversas com Sara Antónia Matos e Pedro Faro


Julião Sarmento: O Artista como ele é – 
Conversas com Sara Antónia Matos e Pedro Faro

ISBN: 978-989-8834-52-2

Edição: Dezembro de 2016
Preço: 11,32 euros | PVP: 12 euros
Formato: 12 x 17 cm [brochado]
Número de páginas: 168

[ Em colaboração com o Atelier-Museu Júlio Pomar ]


Julião Sarmento: O Artista como ele é  Conversas com Sara Antónia Matos e Pedro Faro insere-se na colecção Cadernos do Atelier-Museu Júlio Pomar e dá seguimento ao projecto de entrevistas que se iniciou com Júlio Pomar: O Artista Fala… [2014], continuou com Rui Chafes: Sob a pele... [2015], surgindo agora a propósito da exposição Void*: Júlio Pomar & Julião Sarmento.
As entrevistas são feitas por ocasião do programa de exposições do Atelier-Museu que cruza a obra do pintor com artistas convidados, mostrando novas relações daquele com a contemporaneidade.
Esta publicação […] poderá servir para o leitor acompanhar e desvendar alguns dos processos mais exigentes e enigmáticos do mundo da arte, nomeadamente a criação artística e a concepção de exposições. Embora estes domínios sejam cada vez mais especializados, requerendo práticas, metodologias e saberes próprios, procurou aqui dar-se conta do processo de preparação da exposição: passando pela concepção, discussão de ideias a ela subjacentes, procura e selecção das obras, decisões de montagem e opções de materialização da exposição, bem como os avanços e recuos decorrentes do trabalho.
As conversas abrangeram questões relativas à vida pessoal, ao percurso profissional e aos posicionamentos ideológicos do autor, às conquistas e dificuldades pessoais no domínio específico das artes, e ainda às circunstâncias sociopolíticas que o mesmo viveu, ajudando a transformar ou sendo constrangido por elas.
As pequenas narrativas da vida do artista, aqui contadas pelo mesmo, oferecem-se assim como fontes históricas, de contexto, memórias a partir das quais se inferem questões relativas aos sistemas artísticos e sociopolíticos, da época e de hoje, muitas vezes revelando e pondo em cima da mesa nomes, protagonistas decisivos, que foram esquecidos ou ficaram submersos pelo tempo. [Sara Antónia Matos]

Julião Sarmento [Lisboa, 1948], artista plástico, é autor de uma obra multifacetada, tendo iniciado actividade nos anos de 1970, enquadrando-se nas práticas artísticas mais avançadas desse período. Na década seguinte iria afirmar-se como um dos artistas plásticos portugueses com maior projecção nacional e internacional, expondo em galerias e museus de grande prestígio.

Escritos de Artista em Portugal – História de um esquecimento I Catarina Rosendo


Escritos de Artista em Portugal – História de um esquecimento

ISBN: 978-989-8834-41-6

Edição: Dezembro de 2016
Preço: 16,04 euros | PVP: 17 euros
Formato: 16 x 22 cm [brochado]
Número de páginas: 240


É possível repensar a história da arte portuguesa do século XX através do recurso a fontes documentais até aqui negligenciadas pela historiografia? Este livro procura demonstrar isso mesmo, pois entende, de forma pioneira em Portugal, os escritos de artista como elementos de formação do pensamento teórico sobre as artes visuais no século XX. Na base deste estudo, está um levantamento inédito dos artistas portugueses que se dedicaram a escrever sobre as suas motivações e interrogações acerca da arte e do papel desta nos modos de expressão subjectivos e nos contextos sociais de que faz parte, e uma análise historiografia novecentista e os motivos do «esquecimento» dos escritos de artista na escrita da história da arte moderna portuguesa.
Os protagonistas deste livro são Diogo de Macedo, António Dacosta, José de Almada Negreiros, Júlio Pomar e Nikias Skapinakis, artistas sobre cuja produção escrita se reflecte; e Aarão de Lacerda, João Barreira, Reynaldo dos Santos e, sobretudo, José-Augusto França, autores cujas construções historiográficas se estudam à luz das novas fontes documentais trazidas para o debate acerca da construção da modernidade artística portuguesa. Modernismo, academismo, artes decorativas, surrealismo, abstracção, realismo, figuração, o estatuto do artista e a função do Estado na promoção das artes são alguns dos temas através dos quais se aprofundam algumas das questões discutidas num longo período que se estende da década de 1920 à década de 1970 e que tem o seu ponto nodal nos anos do pós-guerra.

Catarina Rosendo nasceu em Lisboa, 1972. Historiadora da arte. Trabalha no âmbito da arte contemporânea, através de projectos curatoriais, edições, inventariação e organização de espólios artísticos, seminários, cinema documental, membro de júris, entre outros. Investigadora, desde 2006, do Instituto de História da Arte (FCSH-UNL). Desenvolve, desde 2014, investigação curatorial para a Colecção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves.
Integrou, entre 1995-2006, o Serviço de Exposições da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea (Almada). Co-autora do filme documentário sobre o escultor Alberto Carneiro, Dificilmente o que habita perto da origem abandona o lugar (2008). Autora de livros e catálogos de exposição e de ensaios para catálogos de exposição, actas de congressos e imprensa. Prémio José de Figueiredo [ex aequo], Academia Nacional de Belas-Artes, 2008, com o livro Alberto Carneiro, os primeiros anos, 1963-1975 (2007).

Central Tejo – Uma biografia (1909-1990). Volume 1 I Luís Cruz, Pires Barbosa, Fernando Faria


Central Tejo – Uma biografia
(1909-1990). Volume I
Luís Cruz, Pires Barbosa, Fernando Faria

Prefácio de Jorge Custódio

ISBN: 978-989-8834-49-2

Edição: Novembro de 2016
Preço: 37,74 euros | PVP: 40 euros
Formato: 24 x 29 cm [encadernado]
Número de páginas: 384

[ Em colaboração com a Fundação EDP ]


Este livro é o primeiro de três volumes de uma biografia. Essa biografia conta a vida da Central Tejo. Longa, variada e dinâmica, é uma vida feita de várias vidas.
A primeira (1909-1990), a que corresponde este Volume I, é a vida da Fábrica da Electricidade. É uma vida de estórias e de histórias – história tecnológica, história económica, história social. Se hoje não imaginamos a nossa vida sem electricidade, pensemos o que a chegada da electricidade representou para a vida que a não tinha antes. Foi como se o mundo por ela iluminado se tivesse encantado, transfigurado, magnificado, tornando-se outro. A «Ode Triunfal», escrita, em 1914, por Fernando Pessoa através de Álvaro de Campos, é um grandioso testemunho desse relâmpago de realidade que a electricidade foi, dando à voz febril do poeta um altivo ímpeto futurista.
[…]
Ao contar a vida da Central Tejo, esta obra mostra-nos essa vida a ir ao encontro da vida das pessoas. É, por isso, que, neste lugar e nestes edifícios, os visitantes procuram uma descoberta que se parece com um reconhecimento.
A ligação da Central Tejo à comunidade, que, por mandato da empresa que a criou, a Fundação EDP, todos os dias renova e revigora, é, para nós, uma inspiração, uma responsabilidade, um desafio.
Esta biografia é uma viagem no tempo deste espaço e no espaço deste tempo. Obra de investigação histórica, colige, usa e interpreta fontes documentais e testemunhais. Para o fazer, convoca várias especialidades e disciplinas. É, por isso, que Central Tejo – Uma biografia inscreve a imagem de uma Fundação que obtém de uma grande empresa o que restitui à sociedade, entregando à criatividade e à imaginação a memória que recebe e assim acrescenta. [Fundação EDP]